sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Pecado




















Te sinto por perto
cercando o puro da alma
quebrando momentos de calma
com um mover inquieto.


Parece que tudo está quieto
mas teus passos são ardilosos
aos nossos olhos e carne saborosos
no inicio oculto, encoberto.


Quando contaminas, descoberto
sua pústula que apodrece
câncer, lepra que enlouquece.


Espalhas, sem ser contido
e do profundo mar escondido,
para vergonha aparece submerso.


Henrique Rodrigues Soares

Um comentário:

Blog de Carlos Reis disse...

Soneto interessante. Pensei sobre ressaca, libido, dor-de-cabeça e sono. Uma coisa indefinida e inquietante.